segunda-feira, 25 de abril de 2011

Hoje deixei de acreditar no AMOR

Hoje deixei de acreditar no amor terreno.
Para mim sei que nunca vai existir. Pelo menos como eu gostaria...
Muitos confundem amor com desejo e desejo com amor.
E eu também estou nesse rol.
Achamos que quem nos deseja nos ama e deixamo-nos embrenhar por esse desejo em nome do nosso amor.
E mais tarde ou mais cedo percebemos que tudo não passa de uma ilusão.
Uma ilusão terrena como todos os hologramas terrenos criados para passarmos e vivenciarmos as nossas experiências e sentirmos as suas emoções despertadas com as mesmas.
Hoje decidi que de facto o amor terreno não é para mim.
Não consigo dissociar toda a magnitude do amor universal da experiência fantástica que dizem que é amar alguém e por isso, amo sempre de uma forma muito mais grandiosa do que aqueles que me amam a mim. Sim, sou pretensiosa.
Mas já me dizia há 7 anos atrás o meu querido Antonio Rosa, que mesmo com 80 anos, eu iria ser sempre muito mais profunda que o namorado que tiver nessa altura.
Portanto, não me restam muitas esperanças de ainda vir a encontrar o principe encantado que me vem salvar no cavalo branco e levar para bem longe desta vida que me prende e sufoca.
Quando estudei filosofia no 10º ano, discordei com o meu prof que afirmava "O amor é uma prisão!" Hoje concordo com ele. O amor terreno é uma prisão, e eu estou cansada de estar presa.
Viva a Liberdade!
Viva ao Universo!

domingo, 20 de março de 2011

Jaula aberta

Fim-de-semana de sol, início da primavera. Vontade sair, apanhar sol, passear, ir ver o mar...
Tudo dentro de mim, tudo a ver com a minha Essência.
No entanto algo me prende, e não sei o quê.
Medo. De quê?
Olho à minha volta, e sinto-me imóvel, como se não tivesse espaço, como se não conseguisse sair do mesmo espaço. Percebo que é uma jaula. Mas percebo também que a jaula está aberta.
Poderia sair a qualquer instante, livre e solta, mas não saio. Não tenho coragem, tenho medo.
Medo do desconhecido, medo do mal, medo do sofrimento... Medo da Liberdade!
Tudo porque vivi e cresci presa a condicionalismos externos, de pessoas sem ambições maiores.
Pessoas que não sabem valorizar a vida e a natureza pela sua simplicidade, tudo gira à volta de comer e beber, ganhar e gastar dinheiro, ser ou não ser melhor que os outros. Tudo era feito em prol de ficar bem visto, familiar e socialmente, e eu também nunca consgui contrariar isso, porque o medo de contrariar vontades e crenças de alguém que se acha dono da verdade foi sempre uma missão impossível.
Hoje com 31 anos, voltei a sentir este peso do medo e da falta de respeito que sempre tiveram por mim e pelo mundo à sua volta. Mas hoje eu sei que tenho o poder de escolher, a capacidade de me libertar e o direito de ser libertária - poder dizer o que os outros não querem ouvir.
Não é fácil, pois a memória de elefante, infelizmente, funciona com os humanos também:
Obrigam-nos a viver mediante determinadas condições e circunstâncias e quando já não precisamos delas, não conseguimos mudar.
Esta é a grande razão pela qual em adultos temos tantas frustrações e mágoas, e incapacidades de lidar e resolver situções... nunca nos ensinaram isso. Preferiram deixar-nos crescer enjaulados com a ilusão da protecção, e depois quando nos querem libertar, assustamo-nos e achamos que é preferível ficar na jaula.
Um vez disse aos meus pais: vocês só estão bem quando eu estou mal.
E não tenho dúvida nenhuma disso, não que eles queiram o mau mal, mas sim porque quando eu estou mal, eles ficam o ego activo e a sensação de que sem eles não sou nada... de que dependo deles para tudo é maior que muita, e lá vem a prepotência de acharem que podem comandar a minha vida ao seu belo prazer.
E começa tudo outra vez... a imcompreensão, a revolta, a raiva, a injustiça, a rejeição, a solidão e por fim a consciência de que só eu poderei mudar o rumo da minha história e construir a minha felicidade.
Acho que finalmente, vou conseguir construir algo consistente.
Acho que finalmente vou ter coragem para sair da jaula... aberta.
Bem-Hajam.
Obrigada Jesus.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Tranquilidade Energetica

Vinha para casa depois do trabalho, com o entusiasmo de uma possível nova paixão, a pensar nos filhos, na vida e veio-me a imagem eu com 13 anos, ainda no Colégio, antes de ter saído de la.
Senti-me bem, senti-me com a energia que tenho agora.
Senti que se não tivesse mudado de escola, tudo tinha sido mais tranquilo, porque não tinha feito tudo com base no orgulho.
Naquela altura, ter mudado de casa já era uma mudança significativa e suficiente.
Ia ficar sem os meus colegas na mesma pois todos ou quase todos saíram de la. Por isso, ficava "bem".
Depois, se tivesse de conhecer o Nuno teria conhecido na mesma.
Ele era daqui e estava na imobilaria ali mesmo onde eu passava... inevitável não passar por ele.

Acredito que hoje, de regresso as minhas origens energeticas, tudo o q tiver de ser sera.
Se de facto o L for o tal, nesta altura do campeonato, que seja.
O N sera sempre especial mas não vou desperdiçar momentos importantes e oportunidades unicas para ser feliz.

Que seja o que tiver de ser, o que for melhor para mim, pois e so isso que eu quero: O que e para mim!

Obrigada Jesus
Bem Hajas
Abraço de Luz

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Natal 2011

Pensei eu que este Natal ja iria ser diferente. Mas não... tristeza e muita lagrima têm sido o mote de maisuma quadra dificil de passar.
EM analogia a minha infancia, e o primeiro natal a andar e a falar, onde apesar de todos me acahrem graça, me cortam as asas quando quero fazer algo mais arrojado.
Sinto-me como se não merecesse o amor das pessoas. Ter encontrado trabalho, poderia ser uma optima razão para estar feliz, mas tendo em conta a minha dificuldade de me enquadrar na sociedade futil e julgadora, continua a não ser uma razão para sorrir, a não ser pela razão material da coisa - o dinheiro ao fim do dmês. Mas ate isso e futil!... Mas e o que e preciso para eu limpar tudo o que do meupassado recente para limpar, e começar uma vida nova sem dividas.
Que Deus me ajude a conseguir.
Estou cansada deste peso da materia em cima de mim, dentro de mim pela culpa que carrego e pela responsabilidade que tenho em resolver isto tudo.

O Nascimento de Jesus e o verdadeiro motivo da celebração do Natal. Sinto isso nas minhas entranhas desde sempre. Hoje, com tanta tristeza e depois da hipocrisia normal da epoca do Natal a hora do almoço, so me apetecia ir dar sopa aos pobres.
Esses sim precisam de companhia, de amor e de uma Luz para a Vida.
Isso sim, faz parte da minha realidade.
Foi tão giro ajudar a D. Maria a embrulhar as suas prendinhas e a preparar os sacos para levar para a noite da Consoada.
Gosto muito dela. Bam-Haja. Que seja feliz.

E agora vou voltar para a sala, para terminar a noite a abrir a prenda que me trouxe a minha cunhada Elsa. A minha avo tb me deu 20,00€, que eu agradeço muito.
Um grande beio de Natal e abraço de LUZ

Bem-hajam e façam o favor de serem felizes... ;)

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

O meu poderoso pronto a saltar

A inveja e mesmo uma coisa muito feia!
Não se pode ver uma pessoa tranquila, que ja se acha que se esta "folgada".
Foi a observação da minha colega hoje... o poderoso dela e forte! E mesmo poderoso!
Uma Luxemburguesa que refila, critica, diz mal, de tudo e mais alguma coisa... tipico padrão de "eu e que sou boa!"
Nem se apercebe que a volta dela o mundo gira todo de uma outra forma... e que inclusivamente as pessoas estã cansadas da forma como ela as trata, acho que inclusivamente os patrões (mas e so a minha humilde opinião e sensação intuitiva).
A hora do almoço meditei e perguntei o que fazer "limpa" disse Jesus. Claro. obvio!
Meditei e limpei-a, assim como a mim para ver o que eu tinha ca dentro para precisar de alguem assim, ou o que tinha relacionado com ela directamente: Um menina perfeccionista, que fazia tudo para não falhar. E claro que atrai o poderoso de alguem que esta so a espera que alguem faça asneira para cascar em cima!
Tudo tem uma razão! Um tango não se dança sozinho.
E a tarde la tive coragem de lhe dizer para ter paciência para me explicar uma coisa que eu ia fazer pela primeira vez. Ja tinha feito parecido, igual não. E num contexto diferente.
Enfim... melhores dias virão e espero que tudo corra pelo melhor.
Estu a aproveitar o facto de pela primeira vez (desde o JA) conseguir lidar directamente com o patrão, neste caso com a patroa, apesar de todos os medos da exigência e de falhar e desiludir. Mas parece-me tudo bem encaminhado, porque mesmo com receio, tento falar e dizer o que sinto e o que penso, e fico feliz comigo por isso, e isso e o mais importante.
E quando não faço algo bem, peço desculpa, e faço a minha analise do que seria bem feito.
Hoje fiz coisas novas que me agradam - departamento de qualidade - contacto com os clientes pos-venda (pos-reparações). Fiquei contente.
Depois tambem vou contactar os clientes que estão em divida, com processos de liquidação, ara confirma quando vão o pagamento. Gosto disso, não da parte da cobrança em si, mas do contacto com as pessoas. Essa e sem duvida a minha praia.
E por falar em minha praia, e um alivio poder ter alguem com falar sobre o meu lado emocionla e esoterico. esperoq assim continue.
Um grande beijo e ate amanhã, com novas aventuras...

Abraço de Luz a obrigada Jesus, por tudo!

E mais facil fazer o que ja esta feito!

Ontem estava numa luta interior entre fazer como eu aprendi, como eu gostava de fazer, como seria mais correcto do ponto de vista bancario o nome das coisas, ou como tem sido feito.
E quando eu decidi fazer como estava, para continuar com a mesma logica, para não alterar dentro do mesmo mês, porque percepcionei a logica dos lançamentos, senti no meu peito a frase:
"É empre mais facil fazer como ja esta feito!"
Nem sei o que senti. Um misto de alivio, e ao mesmo tempo frustração por não tentar fazer diferente, por não saber xomo seria mais correcto.
Mas ao mesmo tempo, o lado pratico tem de prevalecer.
e eu ja estava tão cansada daqueles bancos... foi o que teve de ser. veremos como sera amanhã e depois.
falhei numa coisa, ter feito e desfeito um lançamento importante para corrigir algo que não estava bem, por esperar que me fossem dados os documentos originais do banco.
Hei-de lançar de novo.

Abraço de Luz. e obrigada por tudo Jesus
Sem ti não conseguiria...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Hoje chorei...

Hoje chorei no novo trabalho. Foi a descompressão da tensão acumulada por medo, por inseguranças e por saber e ter percebido, de uma vez por todas, que tudo tem um tempo para acontecer e que, não vale a pena querer ser apressada para corresponder a expectativas, ou para que fiquem satisfeitos comigo, ou mostrar trabalho.
"com o tempo vais percebendo..." palavras sabias da minha colega que me tocaram no coração e me fizeram descontrair... "ok, não preciso de saber tudo já" foi a minha reacção de descontracção.
Fazer conferências é algo que gosto, e que, no inicio de um trabalho é excelente para analisar as contas e perceber como a contabilidade está feita: classificação, lançamentos, organização dos documentos. Mas para quem está de fora, demorar tanto tempo a conferir bancos pode parecer estranho...
Mas só assim aprenderei muitas coisas relacionadas com o funcionamento da empresa, necessárias ao bom entendimento da contabilidade dentro da empresa, para que possa ser executada da melhor forma.
A primeira semana correu bem. Veremos como corre a segunda.
Muita densidade anda no ar e muitas atitudes menos boas surgiram entretanto. Não comigo, graças a Deus, mas à volta. Espero que assim continue.
No almoço também tudo continua bem. Aos poucos vou ganhando confiança e vou-me sentido mais à vontade.
Se muitas lágrimas tiverem de vir, que venham.
Cá estarei para as chorar, com todo o meu amor e dedicação ao Céu e ao respeito pelas minhas emoções.
Obrigada Jesus, por tudo.
Por tudo mesmo!
Vale a pena acreditar... Muita Luz para a Mafalda.
Beijo grande e Abraço de Luz